NOTÍCIAS

 
 
 
 
ASPRA-PE denuncia precariedade de postos e de presídio feminino em Paratibe.
9/08/2016 22:38

Confira o vídeo no nosso canal do youtube: youtu.be/t8apa5mM8_I

 

A Associação de Praças de Pernambuco (ASPRA-PE), através do presidente José Roberto Vieira e o diretor Lucas, esteve no presídio feminino de  Paratibe onde foram encontradas várias irregularidades, sobre as condições de trabalho.  Foram colchões, banheiro cama todos sem a mínima condições de uso.
Nas visitas aos postos, encontramos um policial da Guarda  Patrimonial trabalhando numa casa de recepção do  Governo do Estado, em Piedade. O imóvel, localizado na beira - mar, está abandonado, não tem banheiro, nem local para descanso. O policial fica numa situação de insegurança.


À noite, transitam pessoas viciadas em drogas e travestis. A  ASPRA-PE vem denunciar esse absurdo e falta de respeito com os policiais da reserva. Vamos levar isso ao Ministério  Público e entrar com uma ação contra o  Governo do  Estado.   Confira as fotos do presídio feminino e o vídeo na casa onde o policial está correndo risco de morte.

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

ASPRA-PE em defesa dos PMs e BMs da Guarda Patrimonial: Movimento dia 11 e denúncia SPBRE Presídio de Limoeiro.
6/08/2016 19:04

Confira o vídeo no nosso canal do youtube: youtu.be/HwiVD9H1bMw



A ASPRA-PE após a volta da batalha travada em Brasília, contra a PLP 257 do Governo  Federal, retoma sua luta em defesa da GUARDA PATRIMONIAL. O presidente José Roberto Vieira e diretor Marcos  Galindo visitaram os presídios de Limoeiro,  Vitória e PS 15 em Nazaré da Mata, com o intuito de conclamar  os agentes patrimoniais a uma mobilização em defesa  de melhores condições de trabalho, salário digno e contra o desconto do imposto de renda   nos vencimentos dos AGENTES PATRIMONIAIS. Será no dia 11 de agosto, com concentração na Assembléia Legislativa.


No presídio de Limoeiro, a ASPRA -PE fez questão de registrar as condições de trabalho, alojamento e alimentação do efetivo. As fotos comprovam: a água da pia é aparada num balde, colchões em péssimas condições de uso, o café é servido num balde. “Vamos denunciar as autoridades competentes o descaso com os profissionais ali escalados é um absurdo”, afirma José Roberto.

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

PELO FIM DA PRISÃO DISCIPLINAR
6/08/2016 17:32

Confira vídeo no nosso canal no youtube: youtu.be/PgT7m-EMjWc

 

“A meta agora é a aprovação do requerimento de urgência”, disse o Deputado Federal Subtenente Gonzaga, em depoimento especial para a Associação de Praças de Pernambuco (ASPRA –PE). Gonzaga é o autor do Projeto de Lei Complementar (PLC 148/2015), o qual altera o art. 18 do Decreto-Lei nº 667, de 2 de julho de 1969, para extinguir a pena de prisão disciplinar para as polícias militares e os corpos de bombeiros militares dos Estados, dos Territórios e do Distrito Federal, e dá outras providências.

O PLC 148/2015 foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, na última quarta-feira (03.08). A ASPRA – PE estava em Brasília (DF) e acompanhou tudo de perto, sendo recebida pelo relator do projeto na CCJ, o senador Acir Gurgacz em seu gabinete. Para ele, mesmo que a constituição permita punições disciplinares privativas de liberdade, isso não obriga o legislador a efetivamente adotar essas penalidades, especialmente no caso das polícias militares e dos corpos de bombeiros militares.

Na votação, foi encaminhado um requerimento que pede a urgência na votação em plenário. Caso ele seja aprovado, pode entrar na pauta a qualquer momento. Segundo o primeiro vice-presidente da Associação Nacional de Praças (Anaspra), Héder Martins, é preciso que as lideranças estejam atentas e mobilizadas. Conversem com os senadores dos seus estados pedindo apoio para a aprovação da PLC e prontas para estarem presentes em Brasília (DF) nas votações.

 

Explicação da Ementa:

PLC 148/2015 já passou pela Câmara dos Deputados, sendo votada e aprovada em outubro do ano passado. O fim da prisão como punição disciplinar não elimina a aplicação do Código Penal Militar e nem do Código Comum. Este foi o receio do senador Acir Gurgacz que pesquisou bastante sobre o tema antes de decidir pela aprovação. Caso seja aprovado, as Corporações terão o prazo de 12 meses para a sua implementação. 
 

LUTA CONTRA O PLP 257 RECOMEÇA NESTA SEGUNDA-FEIRA
6/08/2016 17:27

Confira o vídeo no nosso canal do youtube: youtu.be/uZkKrn3PUy0

Confira o recado do Cabo Daciolo para os PMs pernambucanos: youtu.be/cCcwHKVULzU

 

“O PLP 257 é uma maldade muito grande. Eu costumo dizer que é mais seguro para o povo quando o Congresso Nacional está fechado”, disse o bombeiro e Deputado Federal pelo Rio de Janeiro, Cabo Daciolo. Ele conversou com os diretores da Associação de Praças de Pernambuco (ASPRA – PE) sobre o tema e informou que nesta segunda-feira (08.08), recomeça a luta contra o projeto. Daciolo está inscrito para discursar em plenário e garante ser totalmente contra. 

O presidente da ASPRA – PE, José Roberto Vieira, e o diretor Luciano Falcão continuam em contato com parlamentares e acompanhando tudo de perto. Até o momento, graças ao empenho e união dos servidores públicos civis e militares, foi possível adiar a votação do projeto por duas vezes. A meta é que ele não seja votado e existem muitos boatos sobre o tema circulando nas redes sociais.

Algumas pessoas garantem que, devido às eleições municipais, muitos parlamentares querem adiar a votação para depois de outubro. Afinal, muitos vão ser candidatos a prefeito e têm receio da rejeição do povo. É preciso estar atento. Por isso, a união dos servidores públicos e militares é tão importante, neste momento. Dentro do Congresso Nacional, a meta é fechar as portas. Querem blindar os deputados para evitar que sejam abordados pelas pessoas.

“Não fugimos da luta. É uma ação desgastante, passamos horas andando por aqueles corredores, perdemos hora de almoço, mas não podemos desistir. Quando assumimos a administração de uma entidade de classe, assumimos o compromisso de defender a categoria em todos os momentos”, conclui o presidente da ASPRA – PE, José Roberto Vieira.